Pular para o conteúdo principal

PROFESSOR CONSEGUE EMPREGO APÓS OFERECER AULAS PARTICULARES EM FRENTE ÀS ESCOLAS

 

O paraibano Diego Amorim, de 27 anos, repercutiu nas redes sociais após divulgar seu trabalho como professor em um cartaz, em frente a diversas escolas de Campina Grande Foto: Reprodução

De bicicleta, o professor de história Diego Amorim, de 27 anos, saía de casa pontualmente às 11h, rumo à porta de escolas em busca de trabalho. O único companheiro do trajeto era um cartaz, amarrado ao lado da bike para divulgar que o paraibano dava aulas particulares e estava disponível para contato. A história de Diego, que se assemelha a de milhões brasileiros que se reinventaram por oportunidades na pandemia, repercutiu nas redes sociais após um colega de profissão compartilhar uma foto em que o historiador aguarda o movimento de saída e chegada de pais e alunos na esperança de conseguir ao menos uma hora-aula para complementar a renda. O resultado da mobilização foi o presente de, finalmente, ter a chance de atuar como professor.

Segundo Diego, desde que se formou em licenciatura, em 2018, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), nunca conseguiu exercer a profissão por falta de oportunidades. Então, teve a ideia de começar a dar aulas particulares a estudantes do ensino fundamental e médio. Devido à baixa demanda, no ano seguinte o professor ingressou no mestrado, decisão que, além de conhecimento, o proporcionou uma bolsa acadêmica por dois anos no valor de R$ 1,5 mil. Contudo, nomeado mestre em agosto e com quase nenhuma aula de reforço à vista, ele começou a “vender seu peixe” em frente aos locais em que almejava trabalhar um dia.

— Eu sempre dei aulas de reforço, mas nunca consegui um vínculo empregatício acredito que pela desvalorização do ensino. No momento em que a foto repercutiu eu não estava passando dificuldades, mas toda a economia que fiz enquanto recebia bolsa já estava acabando. Apesar dos professores terem sido muito abalados na pandemia, eu só estava em busca de uma chance na minha área — relata Diego.

Natural de Campina Grande, o professor tirava renda extra através de pacotes de aulas, a preço de R$ 35 a hora. Apesar de não ter sofrido com a baixa na renda durante a pandemia graças à ajuda da mãe, ele conta que estava preocupado em encerrar o ano, mais uma vez, sem perspectivas de emprego. Em alguns momentos, o sonho de estar num ambiente escolar precisou dar espaço a restaurantes, para conseguir se manter financeiramente.

Mas, levando ao pé da letra o ditado “a união faz a força”, sua história mudou no dia 11 deste mês, após o post sobre sua motivação em querer ensinar História alcançar mais de 126 mil pessoas pelas redes sociais. A mobilização foi tanta que Diego conseguiu fechar aulas com quatro alunos fixos e alguns outros esporádicos, que conheceram seu trabalho na internet. Complementando a felicidade do historiador, ele foi contratado por uma instituição particular para lecionar no ano letivo de 2022.

— Eu sou muito grato às pessoas que me ajudaram. Recebi muitas ligações e mensagens de pessoas me oferecendo emprego e isso significou muito para mim. Ensinar história é mostrar o que a gente passou enquanto humanidade e ensinar como se constrói um mundo melhor a partir do que já viveu. Nunca pensei que distribuir meu cartão


Com informações do O Globo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

JUSTIÇA ELEITORAL FISCALIZA CLINICA EM CAICÓ POR SUSPEITA DE COMPRA DE VOTOS; 11 PESSOAS FORAM CONDUZIDAS A DELEGACIA

A Justiça eleitoral realizou nesta segunda-feira(02) uma operação de fiscalização contra supostos crimes eleitorais em uma clinica médica e odontológica localizada na rua Tonheca Dantas nas proximidades da Central do Cidadão no bairro Penedo em Caicó.  Os funcionários da justiça eleitoral receberam denuncias de que a clinica estaria funcionando no domingo a noite e poderia está acontecendo favorecimento politico, mais como não conseguiram fazer a fiscalização naquele momento realizaram na manhã de segunda-feira, feriado de finados.  Ao chegar no local foi constatado a clinica em funcionamento com movimentação de pacientes e ao entrar pediram explicações e foram informados que aproveitaram o feriado para fazer moldagem para posteriormente ser realizado o orçamento do trabalho.  Os servidores da justiça solicitaram apoio da Policia Militar e conduziram até a delegacia para averiguação e prestar depoimentos três pessoas que trabalham na clinica e 8 pacientes que estavam presentes no local

CERVEJA EM FALTA...

Às vésperas das festas de fim de ano, o nível de ruptura da cerveja – índice que monitora a falta de produtos em supermercados brasileiros –, segue em alta. Em novembro, atingiu 19,45%, frente aos 10% registrados no mesmo mês de 2019.  O índice começou a subir em março, no início da quarentena. Nos últimos meses foram registrados 17,64% de ruptura, em setembro, e 18,92% em outubro.  O monitoramento acompanha os dados de 40 mil varejistas no Brasil e é feito pela Neogrid, especializada na sincronização da cadeia de suprimentos.  A falta de cervejas nas prateleiras se deve, principalmente, às dificuldades que as empresas enfrentam para comprar embalagens, como vidro para as garrafas e latas. Apesar do alto índice de ruptura, não há, por ora, risco de desabastecimento do produto.

ACUSADO DE MATAR EMPRESÁRIO NA ZONA NORTE DE CAICÓ FOI BALEADO EM TROCA DE TIROS COM POLICIAIS CIVIS DE CAICÓ EM CORONEL EZEQUIEL-RN

De acordo com informações recebidas pelo Blog, o acusado de matar o empresário do ramo de confecções, conhecido por George, com seu estabelecimento localizado no bairro Boa Passagem, na zona norte de Caicó, foi ferido durante uma troca de tiros com policiais civis de Caicó, na cidade de Coronel Ezequiel, no interior do RN, durante operação de captura de Wesley, acusado de matar o empresário caicoense dentro de seu estabelecineto comercial. De acordo com as informaçções, o acusado que se encontrava com uma moto roubada, foi levado ao hospital. A operação ainda continua em movimento e foi comandada pelos delegados da Polícia Civil de Caicó, Dr. Leonardo e  Dr. Ricardo de Brito, na cidade de Coronel Ezequiel, no interior do RN. As investigações demoraram meses até a polícia chegar ao local que o acusado estava foragido.