quinta-feira, 25 de maio de 2017

BADERNA, VANDALISMO, CRIME...



Uma manifestação que estava para ser pacífica, ontem (24), na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, promovida pelas Forças Sindicais e os movimentos sociais, degringolou à violência, vandalismo, desrespeito, na agressão ao patrimônio público, na ameaça às pessoas, muitas delas servidoras que se encontravam trabalhando.  Os manifestantes (ou baderneiros) quebraram vidros e invadiram as portarias dos prédios na Esplanada. Houve registro de incêndio na área interna dos ministérios da Agricultura, do Planejamento e da Cultura, mas, segundo o Corpo de Bombeiros, as chamas não deixaram feridos.
Em meio à bagunça, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, informou que o presidente Michel Temer decretou a "ação de garantia da lei e da ordem" e, com isso, tropas federais passariam a reforçar a segurança na região da Esplanada dos Ministérios. De acordo com estimativa da Central Única dos Trabalhadores (CUT), os atos reuniram 200 mil manifestantes durante todo o dia. A Secretaria de Segurança Pública estimou um público de 35 mil pessoas no ápice dos protestos.
Manifestantes com rosto coberto foram fotografados no térreo do Ministério da Agricultura ateando fogo no prédio.  As chamas foram extintas cerca de 40 minutos depois. Segundo o Corpo de Bombeiros, o tumulto dificultou o acesso dos carros para combater as chamas. O fogo atingiu o auditório no andar térreo, e fotos de ex-ministros foram quebradas. A Tropa de Choque entrou no prédio para evitar o avanço da depredação.
O térreo do Ministério do Planejamento também foi atingido pelas chamas. Imagens pela TV mostravam que uma sala da Secretaria de Patrimônio da União (SPU), que fica no edifício, também foi destruída. Segundo os bombeiros que atuaram no local, havia risco de desabamento do forro do teto. No Ministério da Cultura, manifestantes também atearam fogo em estruturas da área interna. O prédio também é sede do Ministério do Meio Ambiente.
Com roupas vermelhas, brancas e amarelas, manifestantes estiraram uma bandeira com as cores do Brasil na pista ao lado do Congresso. Eles também tacaram fogo em alguns objetos criando mini fogueiras. A fumaça subiu a uma altura maior que a dos ministérios, mas o Corpo de Bombeiros rapidamente chegou ao local para controlar o fogo. Os manifestantes também derrubaram banheiros químicos no meio da pista.
A intervenção do Exército provocou uma grande reação, porque o decreto tem validade por oito dias. O clima esquentou entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (PMDB-RJ), e o ministro da Defesa, Raul Jungmann. Mais cedo, Jungmann disse que Maia havia pedido a intervenção das Forças Armadas diante da violência dos manifestantes na Esplanada dos Ministérios.
A informação chegou aos deputados da oposição, que rapidamente começaram a cobrar explicações, o que culminou em uma briga generalizada entre oposicionistas e integrantes da base no plenário. Maia disse que o pedido se referia apenas ao prédio do Legislativo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...